quarta-feira, 20 de outubro de 2010

POEMETOS

"Abaporu" - Romero Britto


ÁGUA PRA DEPOIS

Água escorrendo abaixo
Em tempos de escassez.

É chuva que desce zangada
Em casa
Deixa essa água escorrer.

Vai água, passa, não para
Limpa o bueiro, Mané
Depois se pensa na falta
D'água.

Pense no excesso que enche
O saco
E o rio e a rua e o bairro e o carro
De água
De barro.

RESISTÊNCIA

Não estou vivo
Apenas respiro
Alimento
Adormeço
Amanheço
E sustento a guia.

Como soldado que restou
Pra guardar a carne
E hastear bandeira branca
(Todo dia).

CORREÇÃO VISUAL

Vez ou outra aflui um desejo:
_Que a razão me escape porvir.

Queria, ao menos uma vez
Perceber o mundo
(Com meus próprios olhos).

O VERBO

Dentro de uma poça
De milhões e milhões
De gotas, poça
Um vale... E nada.

Nada mais que conto
Ou verso indefinido
Definido verbo
Que hora conto... Faça.

Então, uma poça
De milhões e milhões
De gotas, poça
Um vale... E o infinito.


14 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Pablo
Feliz com sua visita e com seu comentário, vim conhecer o seu blog e estou encantada.
Tudo belíssimo!
Estes poemetos, primorosos...
Voltarei sempre.
Forte abraço, todo trespassado de gratidão

Ingrid disse...

vim conhecer teu espaço e agradecer a visita e as gentis palavrras. Já estou a te ler e volto para degustar tuas palavras.
Beijo.

nydia bonetti disse...

Resistência - queria ter escrito isso, Pablo. abraço!

Tiago disse...

A parede branca engana o pássaro em vôo e a vida lhe arranca.

Voando,
T

Lara Amaral disse...

Vc é dessas poças simples, que nos vemos refletidos, mas que nos cobrem por completo quando adentramos.

Ótimos poemas!

Beijo grande!

líria porto disse...

obrigada duplamente - pela tua visita a meu blog e por ter-me proporcionado teus ótimos poemetos.
besos

Colecionadora de Silêncios disse...

Olá, Pablo.

Vim conhecer o seu blogue através do blogue Longitudes e adorei a forma como vc escreve.

"Queria, ao menos uma vez
Perceber o mundo
(Com meus próprios olhos)."

Lindo! Parabéns!
Sigo-te...

Beijos

Nirton Venancio disse...

Pablo, grato pela visita ao meu blog. Agora vou viver entre palavras...

Vanessa G. Vieira disse...

E ele segue perfeitamente, brincando com as palavras, levando-nos a pensamentos intrigantes. Um conjunto perfeito de poesias caro amigo. Anh! Eu também gostaria de perceber o mundo pelo menos uma vez, com os meus olhos. Abraços

Daniela Delias disse...

Pablo! Que lindos os poemas..."Resistência" é incrível! Adorei o espaço! Beijão!

Carlos de Thalisson T. Vasconcelos disse...

Desses poemetos, eu gostei. =]

Mirze Souza disse...

Pablo!

Que maravilha essa chuva de poemetos!

As metáforas me fascinaram! Chuva que desce zangada (fántástico).

RESISTÊNCIA se encaixou em mim com perfeição.

Correção Visual é algo que todos tem para dizer e não disseram. Maravilhoso!


Parabéns, grande poeta!

Beijos

Mirze

Rayuela disse...

geniales tus poemetos!
sos muy original.

besos*

Cris de Souza disse...

Isso aqui está uma delícia...

Beijo, Pablo.