segunda-feira, 1 de abril de 2013

VOLTA



Não vá onde não possa ver-te
quem de pronto te descreves
sem esperar que sejas nada
alem do que fazes quando olhas
enviesada, pensando em nascer.

Estás pronta. Podes ir se quiseres.
Não tão longe. Não na penumbra
que deixa as pálpebras arreadas
sem a manufatura de escrever-te,
sem a transferência de uma ideia
 que propriamente jamais viu e
sem deixar que possa ser o que é
aquele que o é unicamente por ti.

Um comentário:

Parapeito disse...

esta Volta, deu-me a volta e deixou-me a pensar...
São as voltas que a vida dá...
brisas doces*